segunda-feira, 19 de maio de 2014

Olha aí a minha crônica da semana no jornal O povo on-line. Já postei aqui pra vocês, mas quem quiser, dá uma olhadinha lá também. Bjos pessoas e boa semana a todos!!!!!!

http://www.opovo.com.br/app/jornaldoleitor/noticiassecundarias/cronicas/2014/05/19/noticiajornaldoleitorcronicas,3253090/pra-nao-pensar-em-voce.shtml

quinta-feira, 15 de maio de 2014

Pra não pensar em você

                                                                                                           Angélica Cardoso



Tomei uma xícara de café. Digitei algumas mensagens, apaguei as mensagens. Li algumas páginas de um livro, tirei um cochilo, sonhei com você, acordei com raiva, eu não quero sonhar. Arrumei algumas gavetas, tirei roupas para doar, experimentei algumas, nada mal, tudo péssimo. Passei um pó na cara, talvez ainda falte um delineador; um batom. Lembrei do meu batom na sua camisa, tá, isso não importa mais.

Assisti um filme, mudei o canal, escrevi uma carta, olhei o celular. Quem sabe o e- mail? Um passeio de carro a 100 km por hora me faria melhor, a nossa música alta, tocando só pra mim, trazendo com ela os fragmentos de tudo que vivemos, para. Essa não é mais a minha vida.

Vou olhar mais uma vez o seu twitter, e reler aquelas entrelinhas que eu pude bem compreender, isso me alimenta. Quem sabe imaginar mais uma vez como seria aquela noite que eu tanto programei. Chega. Vou sair, tomar outro café, dessa vez acompanhada de um bom amigo, que me faça rir e me tire desse devaneios. Trabalhar também me afasta de você. Exceto pelas inúmeras vezes que digito seu nome no meio das minhas pesquisas.

Preciso mudar o disco, comprar roupas novas, mudar de estilo, trocar de carro, escrever mais um capítulo do meu livro ( também preciso mudar a história dele), fazer novos amigos, exaurir a áurea, ficar sem alma.
Preciso parar, chegou uma mensagem, pode ser você...

Saí de fininho - Uma crônica sobre o medo de ficar- Ricardo Coiro

Seu resto jogado no escuro. É isso que deixei após minha partida precoce e minha saída silenciosa. Fiz-lhe um bocado de cafuné, esperei você pegar no sono mais profundo e só fui embora quando seu sorriso leve finalmente chegou, dizendo que seu primeiro sonho havia começado.
Saí sem fazer alarde e, dessa vez, diferente de todas as outras, não bati o dedinho do pé na quina de sua cama e nem precisei apalpar suas paredes sempre tão magnéticas para meu nariz. Não precisei nem acender a luz do quarto, apenas tirei meu peito debaixo de sua cabeça e, no lugar dele, deixei meu travesseiro lotado do meu cheiro para que não notasse minha fuga.
Sem fazer qualquer barulho, ainda tive a audácia de abrir suas gavetas, armários e pastas do computador, pois queria apagar de vez todas as provas e rastros daquilo que havíamos vivido até ali. Joguei minha escova de dente pela janela e meu desodorante coloquei no bolso. Calcei o chinelo que morava ao lado do seu e na mochila, com dor no peito, coloquei os muitos livros que lhe emprestei e você nunca nem pensou em ler. Por fim, para tentar poupar-lhe de qualquer nó na garganta ou esbarrão imprevisível com a saudade, apaguei do seu computador as fotos sorridentes que havíamos tirado naquele Réveillon que passamos em Santiago e joguei na lixeira aquela playlist que ouvíamos em looping eterno enquanto varávamos a madrugada entre goles de qualquer coisa etílica e cigarros euforicamente acendidos um no outro, como se fôssemos imunes ao câncer e à falta de ar.
Desculpe-me por ter saído sem que pudesse notar, por ter me desfeito de nossas impressões digitais sem que você tivesse a chance de me contrariar e por não ter deixado nenhum mísero recado na sua geladeira explicando o motivo que me fez deixar nosso amor inteiro em pedaços.
Eu realmente precisava ir, e só saí antes da hora porque queria levar comigo somente as lembranças imaculadas do nosso auge e sabia que só assim conseguiria fazer com que nosso caso durasse para sempre. Eu saí de fininho naquela noite, pois não queria esperar mais e correr o risco de presenciar a natural decadência de nossa gana incontrolável. Eu saí antes que nossos beijos infinitos virassem apenas selinhos apressados, sem gosto, presença de língua ou demonstração de fome. Eu saí antes que faltasse conversa em nossos passeios de domingo e antes que o volume do som do carro não fosse mais diminuído para que pudéssemos ouvir o som de nossas vozes. Saí antes de virarmos rotina, silêncio irreversível, acomodação covarde e pena um do outro. Eu saí morrendo de vontade de continuar ali, com meu pé encostado no seu e meu braço dormente debaixo de seu pescoço, mas sabia que precisava ir enquanto ainda havia tempo para congelar aquele sonho, perfeito como só ele foi.
Esse texto faz parte do livro Confissões de um Cafamântico. 
Extraído do site Casal sem vergonha (http://www.casalsemvergonha.com.br)

quarta-feira, 14 de maio de 2014

A última chance...


Tão necessária, tão vital, que só quem sente que não teve esse direito é capaz de saber. Vida que segue, mesmo tropeçando em pedras, o caminho precisa continuar... Mais um dia, mais algumas horas, mais algumas lágrimas, mas vai passar...